Usando contraluz na Fotografia de Natureza (parte 3)

Usando contraluz na Fotografia de Natureza (parte 3)

Parte 3

A contraluz cria uma luz de contorno que muitas vezes se vê nos retratos mas este efeito também funciona na vida selvagem. Nesta imagem a maior parte da luz estava vindo por trás do leão marinho, o que fez com que os pelos dos bigodes assim como o contorno do animal e dos dedos do homem brilhassem. Ainda assim, a luz ambiente captada na frente foi suficiente para registar o detalhe.
Quando não há luz suficiente para captar os detalhes na área do primeiro plano deve-se usar um refletor ou um flash de enchimento.

A parte que pode ser tecnicamente mais difícil quando se trata de cenas em contraluz é conseguir a exposição adequada. Se você tem uma máquina com medição matricial ela levará em conta toda a cena e tentará determinar a melhor exposição. Isso funciona muito bem quando você tem uma cena uniformemente bem iluminada, mas quando você tem uma cena com alto contraste não funciona tão bem. A sua câmara não consegue medir ambas as áreas brilhantes e escuras ao mesmo tempo.
A solução é mudar para um modo de medição diferente, como medição pontual, de modo a que possa dizer à sua máquina que parte do motivo é importante para si. Você pode optar por medir a área mais escura para manter detalhes nas sombras e deixar os destaques completamente brancos. Ou então pode medir na parte iluminada da cena e deixar que as sombras fiquem completamente escuras para criar uma silhueta.

 

Se não acompanhou desde o início:

Ler a Parte 1

 

Share this post

Comment (1)

Deixe uma resposta